Biologia Computacional e Sistemas - IOC

Programa de pós-graduação stricto sensu em biologia computacional e sistemas

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Início do conteúdo

11/08/2017

Fomento à internacionalização do ensino


Visando incentivar a cooperação e o intercâmbio de docentes e discentes com instituições estrangeiras, o Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária do IOC lança a chamada para ‘Apoio à realização de cursos de curta duração com abrangência internacional no âmbito do Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária do IOC/Fiocruz – 2017’. De acordo com Rafael Freitas, coordenador do Programa e pesquisador do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do Instituto, a iniciativa oferecerá auxílio financeiro de até R$ 12.500 (doze mil e quinhentos reais) por curso. “A internacionalização é muito importante tanto para Programas consolidados, com conceitos de excelência (6 e 7), quanto para aqueles em ascensão (conceito 4 e 5) na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). A ideia veio do corpo docente da Biologia Parasitária, que aos poucos foi sendo amadurecida e agora estimula a participação de professores de outros Programas do Instituto. É uma maneira de todos crescerem juntos”, comentou o coordenador do Programa que é nota 7 na avaliação da Capes.  A submissão de atividades deverá ser efetuada, exclusivamente, por meio eletrônico (posgbp@ioc.fiocruz.br) até o dia 23 de agosto de 2017, com previsão de realização entre 15 de setembro de 2017 e 31 de março de 2018.

O coordenador ressaltou, ainda, que o curso proposto precisará, necessariamente, ser coordenado por um docente da Pós-graduação em Biologia Parasitária− em casos específicos, será permitida a coordenação por professores dos demais programas do IOC. No ato da submissão, o responsável deverá apresentar a proposta na forma de projeto, contendo o título do curso; currículo do(s) professor (es) estrangeiro(s), em formato livre; a justificativa e o objetivo para a realização; o programa do curso; critérios de seleção dos candidatos; cronograma e orçamento detalhado com discriminação dos gastos de custeio e resultados esperados. “Até dez propostas poderão ser selecionadas. Dentre os critérios de avaliação, estamos priorizando as que sejam de interesse de outras pós-graduações; que incluam docentes de programas com conceito 4 ou 5 na avaliação da CAPES, em especial os do IOC; e que obrigatoriamente possuam caráter internacional, ou seja, contem com a vinda de docentes estrangeiros”, adiantou o pesquisador, salientando que “propostas com custos acima do teto serão avaliadas pela Comissão do Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária, desde que o solicitante justifique o valor excedente”.

Segundo Rafael, a Comissão de Pós-graduação em Biologia Parasitária será a instância encarregada pela análise e homologação das propostas, assim como responsável pela administração financeira, em parceria com a Secretaria Acadêmica (Seac/IOC). Já os coordenadores das atividades ficarão incumbidos de efetuar o cadastro do curso como disciplina da pós-graduação.

No que diz respeito às responsabilidades dos coordenadores, Freitas chamou atenção para a necessidade de apresentação de um relatório final, em até 60 dias após a realização do curso, contendo a descrição dos resultados alcançados; a lista e os conceitos de todos os participantes, assim como o aproveitamento de créditos adquiridos; entre outros aspectos.

Para mais informações sobre a chamada, clique aqui

Voltar ao topoVoltar