Biologia Computacional e Sistemas - IOC

Programa de pós-graduação stricto sensu em biologia computacional e sistemas

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Início do conteúdo

11/07/2017

Avanços da biologia de sistemas são destaques de curso internacional


Lucas Rocha

O uso da modelagem matemática, a análise de grandes volumes de dados e os fundamentos teóricos do campo da biologia de sistemas foram destaques do ‘International Course on Theoretical and Applied Aspects of Systems Biology 2017’. A iniciativa contou com a presença de especialistas da Fiocruz e de instituições internacionais, como as Universidades de Luxemburgo, de Alberta (Canadá) e de Leiden (Holanda), que apresentaram os avanços da área, que permite o desenvolvimento de estudos sobre hospedeiros humanos, patógenos e diversas doenças. Cerca de 60 pessoas participaram do curso, entre pesquisadores, professores e estudantes do IOC, das Universidades de Brasília (UnB), Federal de Goiás (UFG) e do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), dentre outras instituições. Promovido entre os dias 03 e 07 de julho, pelo Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Biologia Computacional e Sistemas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), o encontro contou com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). 


Pesquisadores e estudantes discutiram os avanços da Biologia de Sistemas entre os dias 03 e 07 de julho, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro

A estudante de doutorado em microbiologia Aline Rodrigues Gama, da Universidade Federal de Goiás, foi uma das participantes. “O evento mostrou um conjunto de metodologias que podem ser utilizadas em estudos biológicos e, em especial, na minha pesquisa sobre identificação bacteriana. Saio daqui pensando nas inúmeras possibilidades de aplicação do conhecimento adquirido”, destacou. Já o professor Arlindo Rodrigues Galvão Filho, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC), lembrou a possibilidade de novas parcerias entre grupos de pesquisa que participaram da iniciativa. “A pesquisa científica requer atualização constante sobre métodos e técnicas. Encontros, como esse, que apresentam diferentes abordagens possíveis de uma mesma pesquisa são fundamentais. A troca de experiências é algo extremamente proveitoso, que poderá render futuras colaborações”, ressaltou.

As discussões também chamaram a atenção da estudante Rafaela Correia Brum. Às vésperas de concluir a graduação em Ciência da Computação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), a aluna participou da sessão de pôsteres do curso. “As discussões foram muito abrangentes e proporcionaram um panorama bem interessante sobre toda a área. Pretendo fazer mestrado em biologia de sistemas com foco nas estratégias computacionais, e todo esse conhecimento é muito importante”, apontou.

Foto: Gutemberg Brito
Edição: Vinicius Ferreira

Voltar ao topoVoltar